Digite uma palavra ou assunto para pesquisar aqui no blog

Carregando...

sábado, 7 de dezembro de 2013

                                      Sistema Solar  






A GALÁXIA





Gigantesco conjunto de estrelas, gases e poeira agrupados pela força gravitacional..


                                              Gravidade

É a cola do universo. Interação que existe através dos corpos do Universo.
 
 

CONSTITUENTES DA GALÁXIA


Estrelas e Matéria Interestelar


  • Matéria interestelar (~ 5 % da massa)
  • Gases e poeira (nebulosas)


ESTRELAS (~95% da massa)

  • Solitárias
  • Sistemas duplos, triplos e etc....)
  • Aglomerados estelares (Abertos e globulares)
PS: O resultado da formação das estrelas é um aglomerado aberto.





ESTRUTURA DA GALÁXIA E DISTRIBUIÇÃO DA MATÉRIA

  • Forma espiral: Núcleo e braços

ANO - LUZ :

  • Medi a distância e NÃO o tempo.
1 Ano - Luz : ~9,5 trilhões de Km.

PS: É a distância em que a luz percorre em 1 ano no vácuo.






Boa noite pessoal!!!!


Estou muito feliz de poder voltar a postar neste meu blog que eu gosto tanto por falar de um tema que tanto me envolve como a Astronomia.....

Depois de tanto tempo sem postar......vou mudar o visual do blog mas sem que ele deixe de ter esse ar misterioso....

Neste último semestre de 2013 participei do curso da Professora Regina sobre Sistema Solar Na EMA (Escola municipal de Astro-Física) o qual será a pauta das minhas próximas postagens.....


Espero que gostem e fiquem avontade para fazer comentários.....

Estou de volta, e desejo a todos uma boa viagem as linhas que se entortaram neste blog rumo ao universo.

CONTINUEM OLHANDO PARA CIMA!!!!





sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Sistema horizontal de coordendas



Os pontos cardeais

Em termos acadêmicos, os pontos cardeais são quatro:

Norte, inicial N, também chamado "Setentrional ou Boreal".
Sul, inicial S, também chamado "Meridional ou Austral".
Leste ou Este, inicial L ou E, também chamado "Oriente ou Nascente".
Oeste, inicial O ou W, também chamado "Ocidente ou Poente".

Atlas do Universo pg38

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Equinócio de Primavera no Hemisfério Sul! 23-09-2001

E o tempo não para! Agora são exatamente 18:09hs hora que se inicia o último crepúsculo de inverno, estação da qual eu sentirei saudades. Sentirei saudades das amoras pintando a grama de roxo, sentirei saudade da "Super Gigante Vermelha - Antares" me iluminando nas noites frias, sentirei saudades de olhar para o céu noturno e ver o nucleo de nossa galáxia localizado na constelação de "Sagittarius" o Sagitário, sentirei saudade da saudade que o inverno me dá mas tudo bem, porque um novo ciclo se inicia e ele se chama PRIMAVERA.

A PRIMAVERA NO HEMISFÉRIO SUL



O Equinócio marca aquele ponto na órbita da Terra em torno do Sol em que o dia e a noite tem a examatente a mesma duração. E enquanto os habitantes do Hemisfério Sul entram na primavera, os do Hemisfério Norte encaram o outono. 

A primavera é a estação do ano que se segue ao Inverno e precede o Verão. É tipicamente associada ao reflorescimento da flora e da fauna terrestres.




A Primavera do hemisfério norte é chamada de "Primavera boreal", e a do hemisfério sul é chamada de "Primavera austral". A "Primavera boreal" tem início, no Hemisfério Norte, a 21 de Março e termina a 21 de Junho. A "Primavera austral" tem início, no Hemisfério Sul, a 23 de Setembro e termina a 21 de Dezembro.


A Primavera do ponto de vista da Astronomia

A primavera do hemisfério sul inicia-se no equinócio de Setembro e termina no solstício de Dezembro, no caso do hemisfério norte inicia-se no equinócio de Março e termina no solstício de Junho.

Como se constata, no dia do equinócio o dia e a noite têm a mesma duração. A cada dia que passa, o dia aumenta e a noite vai encurtando um pouco, aumentando, assim, a insolação do hemisfério respectivo.




Estas divisões das estações por equinócios e solstícios poderão ser fonte de equívocos, mas deve-se levar em conta a influência dos oceanos na temperatura média das estações. Na Primavera do hemisfério sul, os oceanos meridionais ainda estão frios e vão aos poucos aquecendo, fazendo a Primavera ter temperaturas amenas ao longo da estação.



FONTE:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Primavera
http://www.jb.com.br/rio/noticias/2011/09/22/equinocio-no-hemisferio-sul-marca-a-passagem-para-a-primavera/
 




sexta-feira, 16 de setembro de 2011

A COR DAS ESTRELAS

Percebe-se que as estrelas apresentam cores ligeiramente diferentes e naturalmente a este fato existe uma explicação simples:

A COR DE CADA ESTRELA DEPENDE DA SUA TEMPERATURA


As estrelas azuladas: são as mais jovens e quentes

As estrelas avermelhadas: são as mais velhas e frias

Da próxima vez que observar o céu noturno, tente localizar as estrelas abaixo e veja a diferença no colorido.


Estrelas Brancas: 


Sírius em Canis Major (Cão Maior),


Rigel em Órion



E a "Estrela Vega"




Branco - Azulado


Archenar no Eridano
(sem ilustração no momento)


Hadar no Centauro


Estrelas Amarelas:


O Sol e Rigel Kent  no Centauro


Estrelas Alaranjadas:


Aldebaran na constelação de Taurus (Touro)





e Y Crucis (Gama Crucis também conhecida como Rubídea) na Crux (Cruzeito do Sul).

Avermelhada:


Antares na constelação de Scopius (Escopião) e Betelgeuse na constelação de Órion



quinta-feira, 15 de setembro de 2011

RECONHECIMENTO DO CÉU 3° PARTE - O CÉU DA PRIMEVERA

O CÉU DA PRIMEVERA

A próxima estação que esta chegando é a Primavera e podemos perceber que na primavera o céu noturno não é muito rico em constelações aqui no hemisfério sul, porém contem alguns objetos celestes interessantes como a "Galáxia de Andrômeda" que é observável na própria constelação de Andrômeda, próximo ao "Pégasos", o cavalo alado.

                                                                   


                                                                      Pégasos
                                                               
                                                                   (O cavalo alado)





Pégasus (Peg), o Cavalo Alado, é uma constelação do hemisfério celestial norte. O genitivo, usado para formar nomes de estrelas, é Pegasi.

As constelações vizinhas são Andromeda, Lacerta, Cygnus, Vulpecula, Delphinus, Equuleus, situando-se a norte de Aquarius e Pisces.

Alpha Pegasi (Markab), Beta Pegasi (Beta-Scheat), e Gamma Pegasi (Gama-Algenil), em conjunto com Alpha Andromedae (Alpheratz, Sirrah ou alfa-Andrómeda-Sirrah) formam o grande asterismo conhecido como Quadrado do Pégaso. A estrela 51 Pegasi é notável por ser a primeira estrela parecida com o Sol a ter um planeta extra- solar conhecido.





Próxima a costelação de Pégasus fica a constelação de"Andrómeda" e a "Galáxia de Andrómeda".



Andrômeda (português brasileiro) ou Andrómeda (português europeu) (And), a princesa mitológica Andrômeda, é uma constelação do hemisfério celestial norte. O genitivo, usado para formar nomes de estrelas, é Andromedae, (se pronuncia Andromedé)




As três estrelas mais brilhantes dessa constelação boreal são Sirrah (alfa) e Mirach (beta), de magnitude aparente 2,06, e Almak (gama), de magnitude aparente 2,26. Estão quase em linha reta e eqüidistantes e encontram-se no prolongamento do quadrado de Pégaso. O objeto mais distante visível a olho nu, a Galáxia de Andrômeda (M31 ou NGC224), encontra-se na área dessa constelação.



NGC224 é objeto mais distante visível a olho nu (fora de São Paulo , a Galáxia de Andrômeda (M31 ou NGC224), encontra-se na área dessa constelação.




(Onde o foco localizador esta apontado  podemos perceber a Galáxia Satélite de nossa própria Galáxia)

Na foto abaixo "A mancha" que pode ser mais facilmente percebida se olharmos de soslaio (imagem ampliada).

NGC 224, Messier 31 ou M31, popularmente conhecida como Galáxia de Andrômeda, é uma galáxia espiral localizada a cerca de 2 900 000 anos-luz (0,889 megaparsecs) de distância da Terra, na direção da constelação de Andrômeda.




Descoberta

A existência da galáxia NGC 224 foi relatada no ano 905 pelo astrônomo persa Azofi, contudo foi só com a invenção da luneta telescópica que em 1612 o astrônomo alemão Simon Marius pôde observá-la e finalmente "redescobri-la".


As constelações vizinhas são Perseus, Cassiopéia, Lacerta,  Peixes e Triangulum.


Fonte:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Pegasus
http://pt.wikipedia.org/wiki/Gal%C3%A1xia_de_Andr%C3%B4meda

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Reconhecimento do Céu - 2° parte

No último post sobre reconhecimento do céu, falei sobre "O Caçador Órion", falei também sobre "Taurus" ou a Constelação de Touro e seus aglomerados aberto das "Híades" e o aglomerado aberto das "Plêiades" , Falamos   sobre "Canis Major " que é a constelação que abriga a estrela mais brilhante para nós Sírios

Para ver postagem anterior copie e cole esse link em uma nova janela: http://corposcelestes.blogspot.com/2011/08/reconhecimento-do-ceu.html

(clique na imagem para vê-la ampliada)



Vou completar o céu de verão deste post com mais duas constelações:

"AURIGA " - O COCHEIRO

Auriga (Aur), o Cocheiro, é uma constelação do hemisfério celestial norte. É uma constelação conhecida desde a antiguidade.
Está situada entre as constelações de Gêmeos e Perseu, ao norte da constelação de Órion, é facilmente reconhecível pelo pentágono que forma com as estrelas Alfa de Auriga (Capella), Beta de Auriga, Iota de Auriga, Teta de Auriga e a intrusa Beta do Touro.
O genitivo, usado para formar nomes de estrelas, é Aurigae ( Se pronuncia Aurigé em português)





Esta constelação é vizinha de "Taurus" O Touro e inclusive os antigos formavam essa constelação com uma estrela incomum de Taurus que é a Beta de Taurus como vcs podem ver na ilustração.

Incrível eu vi este céu ontem dia 04/09/11 as 04:00 da manhã tão lindo assim mas estas constelações serão melhores visíveis e por mais tempo na estação do verão em nosso hemisfério


Outra cosntelação importante do Céu de verão é 

CARINA


Carina (Car), a Quilha ou  Carenagem , é uma constelação do hemisfério celestial sul. O genitivo, usado para formar nomes de estrelas, é Carinae ( se pronuncia em português Cariné)
As constelações vizinhas são Centaurus, Vela, Puppis, Pictor, Volans, Chamaeleon e Musca.
Sua estrela mais brilhante é Canopus (Alpha Carinae).

Essa é uma constelação grande do céu noturno.

Vou colocar a arte desta constelação para ver se fica mais fácil de visualiza-la



Esta constelação esta abaixo de Canis Major e acima do cruzeiro


Por hoje é só para ver o port anterior sobre céu noturno digite na barra de busca desse blog RECONHECIMENTO DO CÉU  e veja o post anterior a este sobre este assunto

Céu limpo a todos e continuem olhando para cima!!!!!

Céu da Semana 29 de agosto a 4 de setembro

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Reconhecimento do Céu 1° Parte

Desde os primórdios, o ser humano tem a  necessidade de observar o céu, entende-lo e admira-lo, com o intuito de compreender de onde viemos e para onde vamos, a astronomia sempre esteve presente em nossas vidas, seja em nossos calendários antigos e atuais. Podemos observar a viagem em que nosso planeta traça pelo universo a olho nu. Quando observamos eclipses ou passamos perto de um cometa e podemos observar seus fragmentos (chuva de meteoros) percebemos que o nosso planeta não esta parado. é possível observarmo estrelas de diferentes grandezas a olho nu, constelações inteiras, planetas, nebulosas, galáxias (a olho nu são 3), asterismos, mas para tão feito é necessário compreender a mecânica que esta por traz de tudo isso...
Os povos antigos, fizeram divisões no céu, definindo algumas constelações (que simbolizavam sua épocas, mitos, pessoas, objetos, animais ou deuses), estas constelações são estrelas aparentemente próximas de nós e uma das outras, que formam desenhos com as estrelas se traçada uma linha imaginária entre elas. Hoje em dia, a união astronômica definil no céu pedaços com os nomes das constelações, mas seu objetivo maior não é definir um desenho no céu como faziam os povos antigos, mas sim fazer com todas as estrelas visíveis por nós aqui da Terra sejam pertencentes a um lugar oficialmente estabelecido por eles.

Assim então algumas estrelas que pertenciam a duas constelações ao mesmo tempo, por exemplo, passou a pertencer a apenas um lugar na esfera celeste estipulado pela união astronômica (1930).


(A linha branca representa a reforma feita pela União Astronômica, ou seja os espaços que estipula onde cada estrela do céu pertence, a linha azul representa os desenhos das constelações conhecido pelos povos antigos e que ainda hoje é muito utilizado por observadores)

A forma dos antigos de desenhar as suas constelações sempre foi de grande utilidade como referencia para os físicos, astrônomos e observadores, seja no ramo da navegação, ou como um guia para localização  dos planetas e as constelações dos zodíacos e são até hoje um guia do céu noturno, sendo possível identificar as estações do ano através da identificação das constelações mais visíveis de uma determinada região em certa época do ano.

Ao total são 88 constelações oficiais reconhecidas pela união astronômica. Os nomes das constelações devem ser escritos oficialmente em latim (nominativo em latim, genitivo em latim e abreviação com 3 letras ).

Para facilitar nossas observações existem as CARTAS CELESTES e os MAPAS ESTELARES, que são como um roteiro dos corpos celestes.

Estas cartas ou mapas podem ser de uma determinada estação como por exemplo a

CARTA CELESTE DE VERÃO



Uma das constelações mais utilizadas como referencia no céu noturno é a Constelação de Orion. Para nós aqui do hemisfério Sul, a constelação de Órion é o simbolo do Verão enquanto a constelação de escorpião é o simbolo do Inverno.




Orion para os gregos era um Gigante caçador,

Um pouco de mitologia grega...

Órion (Grego Ωρίων ou Ωαρίων, Latin Órion), o gigante caçador que Zeus colocou entre as estrelas  como a constelação de Órion.



Autores contam que Pégaso, o magnífico cavalo alado, foi usado por Perseu para salvar Andrômeda, e Belerofonte teria conseguido as sandálias aladas de Hermes, e com elas, vencido a quimera.

A lenda de Órion é um outro exemplo com várias versões. Há duas versões sobre sua origem, mas inúmeras versões diferentes sobre sua vida e morte e, principalmente, sobre quem o teria matado e como.

 Zeus, Hermes e Poseidon  teriam vindo à terra disfarçados de viajantes, para testar a bondade dos homens. Para nossa sorte, foram bater à porta de um velho solitário chamado Hyrieus, que mesmo sendo muito pobre acolheu os deuses e, sem saber de sua real natureza, tratou-os muito bem, como mandavam as tradições de hospitalidade.  Hyrieus matou um boi e assou para os deuses, dando-lhes até a comida que lhe faria falta. Comovidos com a bondade do velho, os deuses revelaram-se e lhe concederam um pedido.

Já viúvo, o velho queria muito ter um filho. Então  Zeus mandou que fizesse uma bolsa com a bexiga do touro, que os gregos chamavam de úrion. Dentro dela, deveria colocar os órgãos do animal e enterrá-la.

Hyrieus fez como Zeus havia lhe dito e da bolsa nasceu um menino. Obviamente, não era um menino normal. Órion cresceu e tornou-se um gigante. Era tão alto que poderia atravessar os mares, ainda com a cabeça fora da água, como descreve o poeta latino Virgílio, na Eneida.

"Como Órion, de espáduas fora d’água,
Rasga a pés de Nereu o imenso lago"

Órion tornou-se um exímio caçador, e com isso, chamou a atenção de Ártemis, deusa grega da caça, que se apaixonou pelo caçador. O irmão gêmeo de Ártemis, Apolo, não aprovava o namoro dos dois e enviou um escorpião gigante para matar Órion.


O caçador e o escorpião travaram uma violenta batalha, até que Zeus resolveu intervir e colocou os dois no céu como constelações. Para evitar que continuassem lutando, foram postos em lados opostos. Assim, quando um deles está nascendo no Leste, o outro esconde-se no Oeste.



No céu, Órion é visto rodeado por animais. Ele parece estar em batalha com o Touro. Os dois estão frente a frente e parece que estão prestes a colidirem violentamente.  Aos pés de Órion está  a lebre, Lepus. Ao lado, os dois cães de caça que o acompanhavam: o Canis Major (Cão Maior) e o Canis Minor (Cão Menor). É na constelação do Cão Maior que está a estrela Sírius, a mais brilhante do céu. Sírius seria também, o nome do cão.

(mapa das constelações mais próximas de Órion para o observador do hemisfério norte, nós observadores do hemisfério sul vemos órion de ponta cabeça send que TAURUS

(constelação de touro) fica visivél para nós a esquerda


e CANIS MAJOR

 (se pronuncia Canis Maior em latim) será observada por nós a direita.

Órion teria se casado com Merope, uma das Plêiades, ou perseguido Pleyone, mãe destas, até Zeus intervir e colocá-las no céu.

As Plêiades 

são um pequeno grupo na constelação do Touro, representando seu dorso. Outro grupo presente no Touro são as

Hyades, 

que formam sua cabeça.

As Três Marias representam o Cinturão de Órion


(Imagem válida para a visualização da constelação no Hemisfério Norte, aqui do Hemisfério Sul vemos esta imagem invertida de ponta cabeça)


Como observamos na figura anterior do gigante Órion, seu cinturão é formado por três estrelas bem brilhantes que são muito mais conhecidas como "TRÊS MARIAS". O nome das famosas Três Marias não é tão conhecido assim, que do Árabe são conhecidas como: Mintaka, Alnilan e Alnitak (nessa respectiva ordem para os observadores do hemisfério sul).
Nas cartas celestes, é comum observarmos letras gregas para indicar a qual constelação a estrela pertence.
O uso das letras foi proposto por John Bayer, em 1603, quando da publicação do primeiro Atlas Celeste, intitulado Uranometria. Inspirado em Ptolomeu, Bayer designou, e modo geral, a estrela mais brilhante de cada constelação por


                                                                              alfa 
a segunda mais brilhante por 

                                                                              beta 
                                                                              
e as seguintes em ordem decrescente de brilho como pode ser observado a sequência do alfabeto grego




(alfabeto grego com letras maiúsculas e minúsculas)

ESTRELA MAIS BRILHANTE DE ÓRION

RIGEL:
É a estrela mais brilhante da constelação. É uma SUPER GIGANTE BRANCA 
Diâmetro = 80 x Sol
Massa = 18 x Sol
Brilho = 70.000 x Sol
Em Árabe, RIGEL (se pronuncia RIGUEL) SIGNIFICA " O PÉ ESQUERDO". 

Se olharmos para a constelação veremos que Rigel esta localizada em um dos pés do caçador sendo o outro pé a Estrela Saiph.  

A SEGUNDA ESTRELA MAIS BRILHANTE DE ÓRION


BETELGEUSE:
É a segunda estrela mais brilhante da constelação, para muita gente, a mais bonita É uma SUPER GIGANTE VERMELHA.
Diâmetro = 600 x Sol
Massa = 14 x Sol
Brilho variável = (acredita-se que esteja na fase final de sua evolução)

Para termos uma idéia do seu tamanho, se colocasse-mos Betelgeuse no lugar do Sol seu diâmetro se estenderia para além da órbita de Júpiter.

Graças a esse tamanho Betelgeuse, é uma das estrelas em que é possível observar os detalhes de seu disco.

Seu nome em Árabe significa " A mão do guerreiro" mas se olharmos para a constelção veremos que ela ESTA LOCALIZADA NO OMBRO DO CAÇADOR.

Apesar de parecerem próximas no céu, essas estrelas estão relativamente distantes no espaço.

BETELGEUSE=> está mais próxima a 640 anos- luz e RIGEL esta a 800 anos-luz da Terra.


Continuo postando dicas de reconhecimento do céu essa semana.

Céu limpo à todos e continuem olhando para cima!!



Fonte:


Curso de reconhecimento do Céu I -  EMA _ Prof° Paulo Varella


http://www.amigodaalma.com.br/2009/12/30/reconhecendo-o-ceu-de-verao/

http://www.asterportal.org/astron/orion/orion_crp.htm

http://www.youtube.com/watch?v=Uoe57t8Fr_4

domingo, 14 de agosto de 2011